O Mercado Promete: Um Novo Olhar – Inclusão.

Jéssica Maia estudante de jornalismo na Universidade Metodista de São Paulo (UMESP) entrevistou algumas pessoas envolvidas de alguma maneira com Moda Inclusiva para fazer seu trabalho. Hoje, a matéria não é minha… Quem vai assinar é a futura jornalista Jéssica Maia que já se lança num mercado ético, justo, correto – a inclusão.

Anúncios

Foto: J.Crew

Descrição de imagem (recurso que permite pessoas cegas desfrutar da parte visual de nossas matérias): Foto antiga, colorida e, em primeiro plano, uma jovem  de cabelos lisos e loiros vestida com traje retro: mini vestido jeans com aplicação na parte frontal de tecido estampando em tons de verde, preto e branco, meia calça verde e sapato bem alto em tons de marrom. Ao seu lado uma pilha com 26 livros antigos, capa dura, grossos. A pilha fica quase de sua altura, permitindo que ela debruce sobre eles, descansando a cabeça sobre seu braço que está apoiando na pilha de livros. No fundo da foto uma parede em concreto e envelhecida. O piso também envelhecido, em madeira.

Temos trocado com vários grupos de faculdade fazendo suas teses na área de moda inclusiva. Atendemos um grupo na área de administração, outro na área de moda e último na área de jornalismo. Jéssica Maia,  estudante de jornalismo na Universidade Metodista de São Paulo (UMESP), entrevistou algumas pessoas envolvidas de alguma maneira com Moda Inclusiva para fazer seu trabalho. Hoje, a matéria não é minha… Quem vai assinar é a futura jornalista Jéssica Maia que já se lança num mercado ético, justo, correto – a inclusão.

 

Vamos publicar o trabalho da Jéssica e o site, resultado de suas pesquisas com todas as entrevistas.

Moda inclusiva cresce no Brasil e no mundo

Um novo segmento no ramo da moda se destaca e chama a atenção de estilistas

O assunto moda está quase obrigatoriamente relacionado a modelos muito magras e altas cujo padrão de beleza destoa da realidade da maioria. Porém, essa indústria tem passado por diversas mudanças, abrindo espaço para a diversidade trazida pelas modelos plus size e deficientes físicos, em especial, os cadeirantes. O Brasil tem, hoje, cerca de 29 milhões de pessoas com deficiência (PcD). Somente no Estado de São Paulo, esse contingente ultrapassa 5 milhões. Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), em torno de 10% da população mundial é de PcD.

Esses índices têm atraído a atenção de diversos estilistas para a moda inclusiva, como o francês Chris Ambraisse, que em 2007 lançou sua primeira coleção de moda inclusiva com 30 looks desfilados  por modelos com e sem deficiência em condições de igualdade. Chris se dedicou em trazer acessibilidade para o campo da moda, criando uma marca de roupas adaptadas às necessidades especiais dos deficientes físicos, a A&K Classics. Segundo ele, a marca busca trazer muita reflexão, objetivando a funcionalidade das roupas bem como a sua estética. Ele apostou em peças ergonomicamente projetadas para todo tipo de necessidade, com um sistema de abertura previsto para facilitar a circulação e a mobilidade, além de  elástico na cintura em vez de cós e botões, e velcro no lugar do zíper, o que facilita a troca de roupas.

A Moda Inclusiva já é um foco de estilistas na Europa e Estados Unidos. O Brasil também começa a enxergar nesse novo ramo não apenas um processo de inclusão, mas também um mercado em potencial. “Acredito que a inclusão no mundo fashion traz benefícios para as duas partes. É um bom negócio, gerador de auto estima, e faz com que a moda cumpra o papel de  permitir que todos se expressem através de um ato comum e diário, o vestir”, afirma a Lu Jordão, editora do blog Duas Moda e Arte, destinado à moda inclusiva. Ao lado de sua irmã Cris Jordão, a blogueira divulga informações sobre moda e possui um espaço reservado para as pessoas com necessidades especiais. “Hoje somos uma sociedade voltada para a imagem. Somos avaliados à primeira vista, pelo que vestimos ou como vestimos. Quando você promove a inclusão e a acessibilidade, é certeza que está promovendo uma sociedade melhor para todos”, completa Lu.

Um exemplo recente ocorreu em Porto Alegre e também contou com a divulgação das blogueiras, a participação de uma cadeirante durante o desfile da estilista Vitória Cuervo no Dona Fashion Iguatemi, um dos mais importantes do Sul do país. Vitória, que já tinha feito o seu TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) de Design de Moda da Feevale sobre moda para cadeirantes pôde colocar em prática o que havia estudado. “A maneira que nos vestimos expressa muito quem a gente é. E se uma pessoa não tem acesso ao que ela gostaria de usar, como vai poder expressar isso? Em todas as minhas coleções, farei algumas peças adaptadas”, observou a estilista.  Diversos blogs divulgam de maneira positiva o trabalho da estilista, inclusive blogs relacionados aos PcDs, e ela reforça que esse é apenas o início de um trabalho.

No mês de junho desse ano, o governo de São Paulo promoveu pela segunda vez o Concurso de Moda Inclusiva para pessoas com deficiência. O desfile ocorreu no museu da língua portuguesa. Modelos com deficiência tomaram a passarela e desfilaram roupas que unem estilo, praticidade e conforto, apresentando características que visam facilitar o dia a dia dos PcDs, como calça com abertura lateral em velcro, bolsos em locais acessíveis, botão magnético (que se unem em ímãs), costura e zíper na lateral, sapato com solado antiderrapante e etiqueta com numeração descrita em braile.

Esses são exemplos que mostram a flexibilidade nos padrões exigidos pela indústria da moda, a necessidade de incluir as pessoas com limitações físicas no mundo fashion, além de abrir as portas para um novo segmento. Assim, a moda cumpre seu papel de incluir, aproximar e valorizar as pessoas. “Todo mundo tem o direito do acesso à moda. Todo mundo quer e deve se vestir de acordo com seu gosto, seu estilo. Quem não gosta de se sentir bonita, desejada? A moda é democrática e seu papel é cada vez mais importante na sociedade. Todo mundo fala em moda. Em todas minhas coleções, farei algumas peças adaptadas. A minha idéia é justamente incluir. Fazer para todos”, completa Vitória.

Post by Jéssica Maia, 20 anos completados hoje, no Twitter: @gee_maia e no Facebook: http://www.facebook.com/profile.php?id=1058122853

e Paola Barbosa , no Twitter: @pazinhabarbosa

Site com entrevistas: http://tendenciamoda.hd1.com.br/6.html

 

Nota do Blog: Entendemos que a cada grupo que move seu olhar numa nova direção, damos um passo para uma moda e uma sociedade baseada na diversidade, com bases na ética, na igualdade de oportunidades e, principalmente agregadora, conectando todas as pessoas a situações que promovam recursos financeiros, educação, cultura e auto estima. É nisso que acreditamos.É nisso que investimos nosso tempo, nossas energias, nosso trabalho. É na formação de uma nova geração ética e inclusiva que pensamos… E, na transformação de tudo o que se vê e que não condiz com essas bases.

Autor: Duas Moda & Arte

Um espaço onde se fala em moda, arte, sustentabilidade, dignidade social e moda inclusiva. Amamos misturar moda e toda espécie de arte!

4 comentários em “O Mercado Promete: Um Novo Olhar – Inclusão.”

  1. Eu aprendi o pouco que eu sei sobre o assunto aqui no blog de vocês. Inclusive foi através de vcs que conheci a Orangotango e alguns trabalhos tão lindos que levei até minha mãe.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s